Google+ Badge

segunda-feira, 15 de outubro de 2012

A MORTE




A morte de uma pessoa de Família causa-nos grandes tristezas, a partida da casa de onde viveu, recorda-nos que não temos aqui morada permanente, mas que apenas somos peregrinos a caminho da Pátria Celeste, aonde viveremos eternamente junto de Deus Pai. A partida de um famíliar deixa-nos tristes, mas não devemos chorar a sua partida, porque Deus é amor e o seu amor por nós é eterno, por isso se estivermos preparados não devemos ter medo da vinda da morte, porque nós não partimos apenas passamos para o outro lado da rua, e deixamos de estar presente, mas o nosso amor pelos nosso famíliares nunca ser perde.


Vamos para junto de Deus Pai, ai vamos velar por aqueles que ainda peregrinam na terra, como todos sabemos, a nossa peregrinação na terra pode ser longa ou curta, não cabe a nós dicidir, só Deus a que sabe o tempo que vamos andar neste mundo belo criado por Deus, mas estragado pelo o homem e pelas suas ambições, Deus quando criou o mundo, criou para ser um mundo belo para todos os seres viventes, mas também na sua criação deixou escrito que todos os seres nascem e morrem. Não foi por acaso que São Francisco de Assis ao sentir o aproximar da sua morte pediu a dois amigos frades, para lhe cantarem um Salmo de confiança ao Senhor. Depois disse Louvado seja o Senhor pela nossa irmã morte da qual nenhum ser vivente pode escapar-se.

ADEUS
 
Este adeus não é eterno...
Porque eu não morri;
Apenas parti para para o outro lodo
E deixo de estar junto de vós.

A morte a mim não me diz nada...
Eu sou eu, e vós sois vós;
O que fui para vós ainda sou.


Dai-me o nome que sempre me deram...
E falai-me como sempre me quiseram falar:
Não mudeis o tom solene da vossa voz;
Continuem a rir, conforme nos riamos juntos.

Rezem e pensa em mim, e rezem comigo...
Que o meu nome seja pronunciado na vossa casa:
Como voçês queriam que fosse;
Sem nenhuma ênfase, e sem rosto de sombra.


A vida contínua a significar o que significou...
A vida continua a ser aquilo que era;
O cordão da minha união Convosco não se quebrou:
Eu estaria fora dos vossos pensamentos,
Apenas porque estou fora da vossa vista.

Mas eu não estou longe!
Apenas estou do outro lado da rua;
Já verão que tudo está bem comigo?
e descubram o meu coração,
E nele descobriram uma ternura mais pura.

Se me amam! Sequem as vossas lágrimas...
Eu não quero que choreis mais por mim:
Porque um dia nos encontraremos de novo;
Na Pátria Celeste, felizes na casa de Deus Pai.

Autor: Santa Cruz (Diácono Manuel Gomes)


Nota: O Texto é da minha autoria e o poema foi escrito baseado num texto escrito por Santo Agostinho.